O CRESPUCULO OUTONAL DE 2018!

Se você acredita na magia dos números é hora de fazer as suas apostas! Aí vale tudo desde apostar  em números pares, na soma das datas e no que, historicamente, os dados atuais, remontados na sua perspectiva, estariam a revelar. Se você acredita na magia da virada do ano, crie os seus sonhos, alimente as suas esperanças e estabeleça o que você pretende que se realize na nova etapa que vai começar. O ano que terminou, por exemplo, foi amplamente par. 20 do dois mil seria par e o dezoito do ano que se conclui, também par. E o ano par não deixou nenhum legado para que se acreditasse nas suas possíveis alvíssaras. Nem tampouco sinalizou, fortemente, com indícios confiáveis? de  que o ano chegante seria mais auspicioso do que o que está se encerrando!

Na verdade, aparentemente nenhum fato ou qualquer noticia ou até mesmo especulação indica ou sugere que novos tempos estarão por vir pois que os indicadores econômicos, embora sugiram uma retomada lenta da economia, ainda não se sabe se poderão ser beneficiados, no seu dinamismo, caso o novo governo consiga promover algumas das mudanças institucionais imaginadas. Ou seja, alterações que venham a mudar o ambiente e estabelecer novas perspectivas para a economia nacional, poderia criar uma dinâmica excepcional  para o PIB de 2019. Se Isto não ocorrer, a tendência é que se consiga um crescimento, no primeiro semestre, de algo como apenas  uns 2% de aumento do PIB.

Aparentemente o leitor deve estar desconfiado do tipo de possibilidade que o outrora otimista ensaísta agora defende. O fato é que, enquanto os brasileiros não voltarem a viver o sentimento positivo de outrora, sem aquele ambiente e  sem aquela postura otimista, as esperanças mais  dificilmente  voltarão  a assumir a posição de proeminência no pensamento e na atitude dos patrícios. Mas, mesmo diante desse quadro que pouco sugere de otimismo, o importante é que se viva segundo as crenças e tradições que conformam o passado e as expectativas da brasileirada. E, nesse sentido, a tradição conduz a experiência de que a passagem do ano não representa apenas uma passagem que se conclui em termos de tempo. Há algo de inusitado que se crer que possa acontecer!

O ano que passou deixa um legado de realizações e resultados bem como um balanço de frustrações, irrealizações e desencantos. O que se diz agora talvez reproduza, provavelmente, tudo tem sido dito em todos os finais de ano! Claro que as ênfases mudam de acordo com o humor da sociedade e de conformidade com algum acidente em particular. As vezes, com o ar de mais otimismo; outras vezes, de indiferença e, em alguns casos, até mesmo, com um certo amargor diante de pessimismos acumulados.

Também  “a passagem do ano” cria a mística de que se pode e se deve esperar que o simples fato do ano ser outro, as circunstâncias serão distintas e o acaso poderá agregar algum fato capaz de mudar as perspectivas econômicas, sociais e políticas do novo momento!  No caso específico do Brasil duas coisas ou fatos específicos ou especiais se agregam para juntar novos dados e valores. O primeiro é o fato de o ano coincidir, como é o caso deste ano,  com a posse de um novo Presidente, de novos governadores e da maioria dos membros do Congressso e das Assembléias Legislativas estaduais.

Isto gera a expectativa de que algo possa mudar e não vir a ocorrer uma mera reposição de velhas peças, sem mensagens, sem propostas, sem atitudes e ações capazes de modificar as esperanças e os sonhos da comunidade. É fundamental considerar que mesmo que o pessimismo acumulado nos anos de crise ainda não se possa considerar afastado, sempre surge no ar a esperança de que as coisas possam vir a ser bem melhores. De fato, há indícios e sinais de que as coisas podem melhorar e deverão melhorar e tais manifestações já começam a surgir no horizonte.

Um outro fato relevante é a esperança de que os novos dirigentes, escaldados diante das manifestações do povo contrárias à atitudes, declarações e decisões de figuras até agora expressivas da estrutura de poder nacional, experimentam o caldo de cultura nacional necessário a que vários conceitos e valores possam vir a ser repensados pelos novos gestores. Ou seja, pelo que se sente do grau de insatisfação, de rebeldia e de indignação acumulados pela sociedade civil e demonstrados nas hostilidades com que teriam sido tratados membros de varias instituições de poder do País, inclusive os próprios membros do Supremo, isto deveria levar a uma reflexão crítica não só da justiça mas também de membros do Executivo e do próprio Legislativo, sobre como se postar diante de uma sociedade muito mais exigente e agressiva.

As insatisfações já chegam a níveis perigosos diante da agressividade e do desrespeito com que teriam sido tratados, ultimamente, os detentores de poder. Assim, espera-se que para diminuir tais tensões que ameaçam a convivência e a paz entre as instituições e a sociedade civil, não apenas a própria retomada da economia,  ajudaria, com a consequente diminuição do desemprego e, isto levaria, certamente, a diminuir o pessimismo e a desilusão da macacada para com o País.

Ademais, é mister que o novo governo já apresente algumas medidas concretas que venham a alimentar a esperança e a confiança de que os novos dirigentes buscarão gerar idéias e propostas que batam com as expectativas da população. Isto é, pelo que possam promover para reduzir o tamanho e a interferência do estado no ir e vir do cidadão; pelo que proponham de descomplicação  das relações do cidadão com o estado; ou pela capacidade de encaminhamento de reformas institucionais, de há muito sonhadas pelos brasileiros. Se assim ocorrer é provável que os anos recentes, de profundo pessimismo, de desencanto e, até de revolta dos brasileiros, sejam esquecidos e que a brasileirada possa exibir a alegria, o entusiasmo sincero de um Carnaval que volte a vir a ser  a festa maior do Pais.

Dessa forma, que venha o novo ano. Que venha um novo governo. Que venham as novas idéias e propostas. E que venham, de volta, o entusiasmo, a fé e a esperança do Pais de que dias melhores realmente advirão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *