TEMER, SAUDE PRECÁRIA E DESAFIOS POLITICOS ENORMES!

O cenarista ausentou-se do contacto com os seus fiéis leitores e os seus compreensivos e pacientes amigos durante o período festivo. Mas, abusando da compreensão e da boa  vontade dos mesmos e, diante da ausência de fatos ou movimentos politicos marcantes, decidiu, de moto próprio,  não montar comentários pois não encontrava tema oportuno nem relevante para tanto. Agora já se desenham movimentos e aritudes que permitem especular sobre seus  desdobramentos e possíveis consequências.

Por exemplo, o  ano parece antecipar que será deveras desafiante para Temer pois, embora as perspectivas econômicas demonstrem ser bastante favoráveis para o País, apesar de alguns desafios, um problema especifico se agrega ao conjunto de  dificuldades, notadamente no quadro politico que desafiam a capacidade de negociação do Presidente. Se os embates políticos desse ano serão muito mais difíceis e complexos, algo que assusta Temer é seu quadro de saúde que está a requerer alguns  cuidados especiais. Na verdade, aparentemente a próstata e a bexiga do  primeiro mandatário da nação continuam a inspirar cuidados. E, se tal não bastasse, os entreveros advindos de uma penosa negociação politica, não apenas destinada a aprovar uma reforma mínima da Previdência e  garantir a mudança de alguns arranjos no campo fiscal, serão  dificeis e  complicadas de tourear.

Isto porque, a proximidade do pleito nacional, as avaliações dos parlamentares sobre o que pensa a massa eleitoral em relação a eles e o que deles o eleitorado pode esperar, notadamente nos dias que correm,  além das cobranças da esquerda e da mídia, necessariamente forçarão a tomada de posições politico-partidárias que dificultarão a discussão e a aprovação de matérias ditas polêmicas!

Na verdade, quando um político tenta agir como um estadista ele busca se colocar acima de todas as paixões momentâneas da opinião pública e se centra nas questões estratégicas e de fundo para definir a sua postura. E, com isto ele busca fazer de tal forma a estabelecer um tipo de atitude para, quando for chamado a apresentar uma proposta para um novo período parlamentar,  ele procure gerar as expectativas mais promissoras e acreditáveis pela sociedade. Esse tempo de compromissos com a ética, com a consciência e com a história parece que só voltará  quando os princípios, os valores e as regras do jogo político-partidário sofrerem tal mutação que permitam aos eleitores voltarem a sonhar e a porem fé nos compromissos, nos propósitos e nas atitudes da classe política, como um todo e. do seu representante, em particular!

Até lá o que se contará são com decisões políticas marcadas pelo imediatismo, pelo particularismo e pelo oportunismo, gerando incertezas se alguns problemas encontrarão a solução necessária, ou, pelo menos,  alternativas que porventura minimização tais problemas e desafios. Ademais, diante dos projetos e das ambições pessoais e particulares de agentes políticos e gestores públicos, além dos esperados conflitos de opiniões de atores da cena nacional que, necessariamente, tendem a se  exacerbarem num ano de eleições gerais como o que ora se experimenta, a tendência é que qualquer projeto ou ação mais relevante do governo transforma-se em mercadoria no balcão de negócios da politica nacional.

E, isto embora lastimável é o que está ocorrendo não apenas em questões mais sérias como é a administração e gestão do gasto público nacional; o encontro de contas entre a União e a Petrobras; além dos ajustes e das adequações na estrutura de poder da Eletrobras visando a sua privatização, mas em questões menores, atormentando o dia a dia do governo e, em parte, até mesmo, do País.

Não são considerados as dificílimas negociações visando as reformas institucionais nem quais serão os impactos e consequências do julgamento de Lula, no proximo dia 24 de janeiro. A mobilização petista é  grande visando intimidar os juizes e, talvez a partir daí, efetivamente, mesmo com a pausa esperada para o Carnaval, seja deslanchado o processo sucessório. Na verdade, além de ameaças aos julgadores, o uso da mídia para assustar o tribunal que decidirá a matéria, é o assunto mais preocupante.

Apesar dessas idas e vindas, as coisas andarão e, as ameaças e a mobilização dos partidários de Lula, por mais intensa que venha a ocorrer, não intimidará o tribunal e os seus membros. A tendência esperada é que Lula seja condenado em segunda instância e, provavelmente, não será pedida a sua prisão mas sim a suspensão de seus direitos  politicos. Os seus advogados tomarão duas decisões imediatas quais sejam, interpor recurso à instância superior e sugerir que Lula peça o imediato registro de sua candidatura. Com isto o processo deslanchará e abrirá a sua  campanha e, consequentemente, acelerará todo o processo de ponta a ponta no País.

A coisa só não ficará complicada e feia pra valer porque o ano será de muitas tréguas com Carnaval, Copa do Mundo, festas juninas e outras festanças que permitirão  que os temores venham a se dissipar. Nem mesmo as perguntas enviadas pela Polícia Federal que Temer terå que responder não representará nada de relevante e, apenas, pretensos candidatos a Presidência estarão ensaiando os seus passos e assuntando quais são os temas que mais sensibilizarão o eleitorado.

O que se espera é que essas idas e vindas, esse jogo de interesse e as manifestações dos pretensos candidatos à vaga de Temer, não gerem tumultos ou dificuldades à manutenção da  equipe econômica com os seus compromissos e com a responsabilidade histórica que S circunstâncias exigem.

 

V

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *