O MELHOR DOS MUNDOS!

“O cidadão deve exigir que os administradores sejam íntegros, os juizes incorruptíveis e os legisladores probos e honestos”, Ministro Celso de Mello exercitando o seu “wishfull thinking”.

Scenarium de 27/08

  • O SENADO E O CIRCO!

A gente procura avaliar as coisas dentro de uma perspectiva de seriedade, responsabilidade e compromisso político-social que a cidadania requer. Mas o que acontece no Senado Federal, outrora uma casa de sóbrios…

  • A REBELIÃO DO STABLISHMENT!

De repente, mais que de repente, da mesma forma que Marina foi um fator de desequilíbrio na mesmice e na pobreza do quadro sucessório, os funcionários de carreira da Receita Federal, com o gesto de total desaprovação…

  • A FRASE DE GETÚLIO.

Dizem que é do pai dos pobres que, neste 24 de agosto, há 55 anos, despediu-se da vida para entrar na história diante da pressão para se submeter a imposição daqueles que o acusavam de imoralidades e erros que não havia cometido…

  • PALLOCI ESTARÁ DE VOLTA?

O Supremo Tribunal Federal julga, nesta quinta-feira, matéria que diz respeito ao ex-ministro Antonio Palocci de haver quebrado o sigilo bancário do chacareiro que trabalhava para o ministro. Fracenildo…

Leia Mais

Scenarium de 19/08

● E O Senado? Armistício Ou Apenas Trégua?
● E A Câmara? Como Vai Se Movimentar Nesta Semana?
● Governo Já Se Arma Contra Marina
● “AS CONSEQUÊNCIAS VIRÃO DEPOIS”, Como Disse O Deputado Português-Brasileiro José Lourenço!
● A Desburocratização Voltará À Pauta De Prioridades Do Governo?

Leia Mais

Scenarium de 14/08

  • “As cartas não mentem jamais…”
  • “As cartas não mentem jamais… (II)”
  • O Comissariado vai entrar em cena.
  • E Ciro não estava morto!

Leia Mais

Scenarium de 12/08

  • Senado: a crise é grande e séria.
  • Marina e Ciro

Leia Mais

Por que Lula defende Sarney?

Para uso externo, para garantir a governabilidade.

Para uso interno, pelo temor dos possíveis estragos a serem provocados pela CPI da Petrobrás e das Ong’s sobre o seu governo e sobre a candidatura de Dilma.

Para uso estratégico, garantir a sobrevivência de Sarney é tê-lo como refém e levar o PMDB a distanciar-se de Serra.

Recados, recados e recados!

Neste mês de agosto, conhecido como mês dos acontecimentos trágicos, do episódio deprimente das acusações entre senadores, o que se extrai é o seguinte: o PMDB, com a catilinária contra Simon e, o próprio Temer, apoiando nota da Executiva Nacional sugerindo que os “insatisfeitos’ deixassem o partido, foi um recado ao PSDB, como a dizer: “se com o Pedro Simon agimos assim, imagine contra vocês”. E isto levou a atitude pragmática de Arthur Virgílio de permanecer “pianinho” e ao discurso conciliatório de Papaleo Paes. Por outro lado, o próprio PT, amuado e acuado, decidiu não participar do enfrentamento entre a tropa de choque e o exército de Brancaleone, como ontem se comportou o PSDB.

Um outro recado da tropa de choque dado ao PSDB e ao DEM foi no sentido de que, tendo a maioria dos membros do Conselho de Ética, pode arquivar as denúncias contra Sarney e levar avante a denúncia contra Arthur Virgílio e, se Tasso Jereissati estrilar, encaminhar denúncia contra ele, também.

Nesse jogo de recados, fica um para a sociedade brasileira também. Provavelmente nada fará o Senado até o final do ano a não ser o aumento da descrença no parlamento, nos políticos e nas instituições.

Este semestre promete. A pauta do STF é bem polêmica. O TSE tem várias cassações a julgar e os partidos temem a rigidez e a atitude do próximo Presidente, o Ministro Joaquim Barbosa, além dos embates relacionados ao jogo sucessório.

O que realmente está em jogo.

Pintados para a guerra e com uma belicosidade exibida ao extremo, a tropa de choque do Senador Sarney, tendo à frente o Senador Renan Calheiros, coadjuvado pelo Presidente Collor, aprofundou a crise no Senado Federal.

O que motiva tal disputa tão acirrada? O que leva a esse striptease tão deprimente da Velha Casa? Por que perdem todos a compostura? Seriam esses desvios de conduta de atos secretos, passagens aéreas, nepotismo, etc.? Seria apenas um novo embate entre a situação e a oposição? Seria, por acaso, os desdobramentos já do que pode ocorrer em termos de sucessão presidencial na proporção em que se estimula a “guerra” entre PMDB e PSDB para que o PMDB não se “bandeie” para o PSDB?

Para alguns, que operam com teorias conspiratórias, seria o velho e competente jogo de Lula de fragilizar de tal forma Sarney, como o fez com Renan, para tê-lo como refém e controlá-lo em face dos interesses da candidatura de Dilma. Ainda para os que operam com tais teorias, seria uma forma de impedir que Sarney, em 2010, tivesse com toda a força porque o mesmo será o substituto eventual de Lula e se Lula resolver ser Senador ele próprio assumirá a Presidência e comandará o pleito.

Ao que parece, a crise é muito mais profunda do que as escaramuças, de baixo nível, estão a mostrar.

O que se admite é que o Senado chega a um ponto de desestruturação provocado pela presença de suplentes sem voto; de pequenos escândalos; de nepotismo, de inchaço de cargos funções, pessoas além da falta de cumprimento do seu papel fiscalizador, revisor e de guardião da Federação. Ou seja, o Senado hoje é questionado, inclusive, sobre a sua própria necessidade!

Será que bastará uma reforma da estrutura, que deverá ser proposta pela FGV para superar o caos?

Parece que não. A coisa é muito mais séria do que se imagina. Tudo isto requer um passar a limpo na missão institucional, no papel, na forma de escolha dos seus membros, entre outras providências.

Razões para Aécio

Sete razões para começar a acreditar que Aécio é quem será o candidato à Presidência ao invés de Serra:

• Serra não trocaria o certo pelo duvidoso e não embarcaria em uma aventura porquanto tem o Governo de São Paulo e a Prefeitura, ou seja, os  2º e 3º orçamentos do país;

• Aécio sai de Minas com, pelo menos, 70% dos votos o que não ocorreria com Serra em São Paulo. Aécio entra melhor no Rio do que Serra;

• Aécio pode levar Ciro a ser seu vice e “fechar” o Nordeste onde Lula tem mais capacidade de transferir votos;

• O neto de Tancredo Neves faz mais sucesso dentro do PMDB pois recupera o sonho da Presidência de Tancredo e é mais palatável e simpático para os vários grupos dentro do partido;

• Aécio é mais leve, mais simpático e mais jeitoso na costura de alianças;

• Aecinho tem a simpatia da mídia, do eleitorado jovem e feminino;

• Finalmente Aecinho não tem para onde ir, a não ser a sua candidatura ao Senado.

Last but not least, o PSDB, além de ficar com São Paulo e com a Presidência, o partido fragilizado nos estados, poderá se reconstruir com a candidatura de Aécio à Presidência.

A crise e suas lições

Da crise ora experimentada pela classe política e pelas instituições nacionais, algumas lições podem ser extraídas.

Em primeiro lugar, a política é impiedosa e cobra a hora de parar e de sair de cena. Perdendo-se o momento o resultado é o desgaste, o manchar da biografia e, quando muitos interesses estão em jogo, levar alguém a própria execração pública.

Sarney, por exemplo, teve dois momentos épicos em que poderia ter escrito belas páginas na história política do país. O primeiro foi quando, ainda jovem, apeou do poder o homem forte da política maranhense, Vitorino Freire, encerrando um ciclo de controle impiedoso do poder naquele Estado.

A segunda oportunidade foi quando o acaso e o infortúnio de Tancredo colocaram em seu colo a Presidência do país.

Na Presidência terminou os seus dias com uma inflação fora de controle e um legado discutível pois até a sua habilidade, jogo de cintura e capacidade de articulação política, para alguns analistas e cientistas políticos, foi forçada pela atuação  dos dois condestáveis, Aureliano Chaves e Ulysses Guimarães além da presença de um coadjuvante de peso e de expressão, no caso ACM.

Sarney é pessoa afável, educada e de fino trato. Ninguém pode negar que tenha espírito público. Mas Sarney dá a todos a sensação, pelos seus valores e práticas políticas, que além de Pinheiros, sua cidade natal, sente-se no exílio. É lamentável que pressões de interesses de familiares, amigos e correligionários tenham levado a que, ao invés da tranquilidade dos debates em tertúlias intelectuais da Academia, Sarney tenha ido para o mais devastador ambiente de sacrifício pessoal, moral e político.