UMA NAÇÃO PESSIMISTA NÃO PODE PROSPERAR!

O Brasil tem experimentado momentos de rara singularidade. A crise que praticamente devastou o País, reduzindo em quase dez pontos percentuais o seu PIB, desorganizando as finanças públicas e desmantelando a operação da máquina de governo, essa crise parece que foi estancada! E, já faz quase dois anos que, mesmo sendo muito profundo o golpe, aos poucos os problemas vão sendo enfrentados e os rigores das enormes dificuldades vão sendo mitigados.

No auge da crise, poucos imaginavam que a republiqueta de bananas chamada Brasil seria capaz de demonstrar a sua capacidade de recuperação e começar a dar a volta por cima,  começando a repor as coisas em ordem e iniciar a reversão das tendências de queda continuada do PIB e de aumento constante do desemprego!

Apesar da descrença de muitos e do pessimismo das chamadas aves de mau agouro, cada dia que passa os indicadores de desempenho, seja em relação ao ânimo e ao otimismo de consumidores e de agentes produtivos, seja em relação ao comportamento dos principais aspectos econômico-financeiros,  em termos quantitativos, tais dados remetem, a qualquer analista, a imaginar que o crescimento da economia, em 2018, ficará acima de 3,5%, a inflação ficará em torno  da meta e os juros básicos ficarão ao redor de 6,5 a 7,0%. Por outro lado, mesmo em se tratando de um ano eleitoral, a tendência das finanças públicas nacionais é a que o déficit público, caso a reforma da previdência venha a ser aprovada, ficará abaixo dos estimados159 bilhões!

E essas devem ser as expectativas e, até mesmo,  o tom que dominará o sentimento dos brasileiros, ansiosos que o País retome a expansão desejada e possível da economia para que caia, dramaticamente, o estoque de desempregados e, pouco a pouco, os erros e absurdos cometidos no passado,  sejam vencidos. Ou seja, o gasto perdulário e irresponsável, em termos de vantagens e benefícios — incentivos, subsidios, regimes especiais concedidos a segmentos econômicos como aqueles ofertados a indústria auttomobilistica, agronegócio, as micro e pequenas empresas, etc; a deplorável gestão de empresas públicas como a Petrobras e outras mais;  os abusos e a excessiva generosidade dos programas sociais, como é o caso do bolsa-família onde estão sendo suspensos mais de 3 milhões de imerecidos beneficiários se esses excessos forem contidos, o déficit público deverá cair, drasticamente.

Apesar da notícia sobre o rebaixamento da nota do Brasil pela agência de “rating” Standard & Poors, tal fato, parece que, na verdade, não afetou é nem afetará a economia nacional e não reduziu e nem reduzirá o interesse de investidores externos. Pelas informações que se dispõe, há significativos interesses de investidores no segmento de infra estrutura física e urbana, na área mineral e na área de serviços, alëm do segmento altamente dinâmico do agronegócio. Na proporção em que restrições e limitações legais e institucionais forem sendo removidas, o ingresso de recursos externos ocorrerá de maneira bem mais abudante do que ocorreu no ano de 2017 que, mesmo diante da crise e de muitas incertezas, a entrada de recursos líquidos no País ultrapassou os 70 bilhões de dólares.

Mais relevante que tais dados conjunturais e circunstanciais, é fundamental reconhecer que já ultrapassou o Brasil quase 33 anos de exercício democrático continuo, sem interrupções, pós o golpe de 1964! As instituições do estado de direito foram testadas, pelo menos em algumas circunstâncias especialíssimas — Impeachment do Presidente Collor, Mensalão, impeachment de Dilma, Petrolão e prisão de inumeros e renomados cidadãos — e, de fato, conseguiram ultrapassar o “Rubicão”! Ou seja, com todas as suas limitações e fragilidades, as instituições democráticas mostraram-se suficientemente sólidas para enfrentar tais desafios.

Se essa já representa uma referência alvissareira no que diz respeito a operação do estado brasileiro, é bom chamar a atenção para o fato de que, um estado “sebastianista” por excelência , como é o cado tupiniquim, onde os cidadãos acreditam mais nos homens do que nas instituições, esse mesmo País  foi capaz de defenestrar dois presidentes, prender um senador, no exercício do mandato, afastar e prender um presidente da Câmara dos Deputados e um ex- presidente da Casa! Quem ousaria imaginar que o País da impunidade e da esperteza teria capacidade ou a coragem de prender toda a elite dirigente do PT e grande parte dos dirigentes do PMDB, inclusive culminando com a condenação do mais importante e popular líder politico nacional, além de ter posto na cadeia todos os grandes empreiteiros e alguns dos grandes empresários do País?

Dentro dessa mesma linha, alguém imaginaria que todos os ex-presidentes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, nos últimos vinte anos, o ex-prefeito e ex-governador, além de tantas outras lideranças políticas cariocas, sem que houvesse exacerbação da justiça ou perseguição política nem tampouco a prevalência apenas da vontade política de punir ao invés de se ater a fatos, documentos, testemunhos e documentos que fundamentaram tal gesto?

Ficou marcado na mente dos brasileiros que o país havia mudado, ao assistir a prisão de quase toda a diretoria da Petrobras, do Presidente da Eletrobrás, do ex-Presidente do Banco do Brasil e de dirigentes de varias estatais nacionais trancafiados em face de erros e crimes cometidos neste Brasil que sempre foi marcado pelo fato de que aqui a lei só se impunha aos desvalidos e a impunidade era apoiada e patrocinada pelo próprio poder.

Assim, em função do que se viu, do que se assistiu e do que se presenciou, as coisas começaram a demonstrar que as mudanças iniciaram-se no País e é possível alimentar a esperança de que algo está em processo de construção no Brasil dos dias que correm. È fato que questões estratégicas ainda esperam por um encaminhamento que gere expectativas mais favoráveis, como é o caso da Educação. Mas, mesmo aí, algo de novo parece ocorrer no Brasil quando se verifica que, das 100 melhores escolas públicas do País, 77 estão no interior do Ceará e as escolas privadas de Fortaleza abocanham 43% de todas as vagas do IME, do ITA e da Escola Naval! Também quando se verifica que a melhor rede de ensino municipal do Brasil está localizado na cidade de Sobral, interior do Ceará.

Muita coisa de novo, de bom e de diferente ocorre País afora e as elites não se dão conta de tais fenômenos. Da mesma forma que poucos acreditavam que, diante do buraco em que o País fora lançado, difícil seria reorganiza-lo e fazê-lo retomar o caminho da expansão e da modernização, como ora se assiste.

Assim, apesar de todos os pesares, do pessimismo de muitos e da qualidade da classe política do País, as perspectivas que se apresentam ou que podem ser admitidas, tendem a mostrar que, neste ano, a previsão de um crescimento acima de 3% se concretizará e o desemprego cairá, significativamente. O País ingressa num ciclo virtuoso apesar dos temores com os embates eleitorais que, ao ver do cenarista, em nada afetarão os rumos da economia que, pelo que se sente, mais e mais descolada da economia, encontra-se.

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *